É Como Se Tivesse Chumbo Em meus Pés", Diz Ex-sambista Com HIV

15 May 2018 04:15
Tags

Back to list of posts

Se eu não tivesse a cabeça legal, acho lineshake que agora tinha morrido". Ela é uma negra atraente, de corpo sem miséria ou excesso, pronto para o samba. Dizem que eu pareço a Sandra de Sá. Que então Sandra (nome fictício), que a toda a hora teve bom humor, conta que neste momento bebeu, de imediato fumou e de imediato dançou muito.No entanto, por questão de saúde, teve de parar. O cigarro e o álcool não lhe exercem mais falta. A ginga, mas, é o que tira pedaço da mulher de 41 anos. O culpado está nos olhos amarelados, nas mãos e nos pés de cor mais escura, na anemia que emperra as duas pernas e nas contas de um vírus que abriu as portas para isso tudo: o HIV.Há um ano e meio, Sandra enfrenta uma anemia megaloblástica (doença causada por inexistência de vitamina B12 no corpo). Há dois descobriu que é soropositiva. E há três - quem sabe quatro ou 5 - possui o vírus no corpo humano. Quando alguém se infecta, a Aids pode conduzir dez, quinze, vinte anos até se elaborar. Quem sabe nunca se manifeste. No caso de Sandra, a doença começou a causar dificuldades existe um ano, quando ela sofreu uma parada cardíaca. Não queria que a doença atrapalhasse meu rendimento no serviço.Só que comecei a passar mal. Depois da parada cardíaca e da internação de quinze dias, Sandra deu começo ao tratamento com os antirretrovirais, medicamentos que dificultam a multiplicação do vírus no corpo. Mas a terapia causou a deficiência de vitamina B12, desencadeando a anemia megaloblástica. É a chamada doença oportunista, que se aproveita da Aids para se instalar.Além disso, Sandra enfrenta outra dificuldade chamado de cianose, que acontece por falta de oxigenação no sangue, deixando-o mais azulado. É por isso que a extremidade de suas mãos e seus pés tem uma coloração mais escura. Isso tudo deixou Sandra com problemas pra percorrer, em licença-saúde no serviço e com dormência no samba. Ela diz que a doença mudou tua vida. Mudou já que eu adoro de dançar e eu não consigo dançar mais.Não consigo ficar solta e tenho problemas pra respirar. É como se tivesse chumbo nos meus pés. Diferenciado de Sandra, Álvaro (nome fictício) de imediato superou as doenças oportunistas: uma tuberculose e uma pneumonia. Quando procurei o médico eu estava morrendo. Há 2 anos, as duas doenças o fizeram emagrecer 14 kg e quase o mataram. Foi quando o homem de 38 anos descobriu que tinha o HIV. Ele diz que se infectou no momento em que se relacionou com "uma mulher de outra cidade".O cálculo dele - e dos médicos - é de que esteja com o vírus há mais de 15 anos. Neste tempo, Álvaro foi casado por uma década e teve uma filha. Nenhuma das duas domina da doença. Eles se separaram há 4 anos e ela se casou novamente. Ele não sabe se um dia vai comprovar tua condição para a ex-mulher. Ao ser questionado sobre os motivos, Álvaro hesita e diz que está "tentando tocar a vida". É sendo assim: eu sinto que ela poderia ter feito algo pra salvar nosso casamento.E ela não fez definitivamente nada. O homem franzino e humilde deixou pra trás uma pneumonia e uma tuberculose, conseguiu a liberação dos médicos pra retomar o trabalho e agora inventa uma poupança para a filha. Apesar disso tudo, Álvaro não conseguiu se retirar do rancor, que se aproveita da preocupação e do medo pra se instalar.No momento em que estou perto de uma pessoa espirrando, eu de imediato fico resfriado. Se estou perto de alguém com mau cheiro pela boca, pego inflamação pela garganta. Hoje eu tenho muito pânico das pessoas, susto de elas me transmitirem alguma coisa. Se Sandra, por um lado, declara não ter horror da reação das pessoas, Álvaro teme permanecer isolado. Ele tem tal pânico de uma gripe corriqueira quanto de ser descartado. Não contei pra ninguém visto que não almejo que fiquem com pena de mim, que me tratem com desdém, que tenham temor de me machucar.Se eu conto para a minha ex-mulher, tenho certeza que ela vai sair espalhando. E alguns vão se afastar. Este é meu superior pânico. Desde que descobriu a doença, Álvaro foi viver numa moradia mais perto da família. Diz que compreendeu a querer mais dos parentes e a não pensar só em si.1 colher de sopa de requeijão lightUse a chia pela cobertura de bolosEmagreça com a dieta da aveiaMassa integral - bem mais fibra que as massas normaisPerder peso de forma saudável e melhorar a tua forma físicaAcrescente mais fibras ao cardápioDançar. Procure movimentar bastante as mãos e pernasNo entanto, pra Álvaro, ficar junto é importante já que ele imagina que, muito em breve, neste momento não vai mais estar. Eu acho que tenho pouco tempo de existência. Já vivi 17 anos com o vírus. Isso é muita coisa. Com exceção de uma das irmãs, nenhum parente ou conhecido conhece sua sorologia.Álvaro carrega o vírus quase sozinho. Eu preferi continuar um tanto à quota. Distinto de Álvaro, Sandra não se afastou, não escolheu ficar à parte. Ela desafia com molejo as fofocas dos curiosos que se aproximam para vasculhar a sua existência. Isso não é problema pra ela. Os 3 filhos do primeiro casamento sabem da doença. O pai, a irmã e os irmãos, além dos amigos mais próximos, bem como. brain_rect-vi.jpg Acabei de lembrar-me de outro site que também pode ser útil, veja mais dicas por esse outro artigo lineshake funciona [necessitae.com], é um ótimo website, acredito que irá gostar.

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License